top of page
  • Foto do escritorELA

Dandara dos Palmares: A guerreira quilombola

Por: Klyssiane Uchôa Souza Lopes



Professora por vocação, Pedagoga por formação, Psicopedagoga por opção. Mestranda em educação, pesquisadora das políticas públicas para a educação.

Acredito que o ensinar é baseado no afeto, que se aprende brincando e com amor. Que a partir desse olhar holístico para com as crianças que iremos construir um mundo com bases na solidariedade, compaixão e equidade.






Acredito que são poucos os que já ouviram falar nessa mulher de fibra. Você,

certamente, quando ouve falar do nome “Palmares”, remete tal informação

diretamente a Zumbi, o guerreiro abolicionista, sem saber que junto dele havia

uma guerreira incansável a favor de sua causa. Líder nata, esteve à frente de

homens e mulheres na luta pela liberdade.


Dandara dos Palmares, esposa e mãe de 3 filhos, parceira, confidente e braço

direito de Zumbi, lutou com armas pela libertação total do povo negro no Brasil.

Habilidosa na arte da capoeira, foi uma grande estrategista na defesa de seu

povo e lugar, desempenhando papel fundamental no comando e na construção

do famoso Quilombo dos Palmares, o grande marco da resistência contra o

regime escravocrata brasileiro.


À frente do seu tempo, não conseguia se encaixar nos padrões de uma mulher

típica de sua época por sempre reivindicar seu lugar de fala. Dandara

vislumbrava objetivos de luta que iam além de só obter a liberdade, mas de

soluções concretas para o povo negro da época.


Como mulher negra e quilombola, Dandara é mais umas das muitas mulheres

que foram apagadas ou esquecidas pela história por causa do machismo e do

racismo, que ainda até hoje estão enraizados em nossa sociedade. Sua vida

marcada por lutas justas e em prol do coletivo fica à sombra dos feitos de

Zumbi.


São poucos os registros históricos que nos remetem a ela e seu legado. Sabe-

se que, em fevereiro de 1694, Dandara, ao ser capturada, joga-se de uma

pedreira tirando a própria vida. Ela preferiu a morte a ter que voltar a ser

escrava. Se fosse nossa contemporânea, seria uma mulher que certamente

incomodaria muita gente que se nega a enxergar o racismo e o machismo

estrutural da nossa sociedade. Esse era o jeito Dandara de ser uma mulher

incrível!

164 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


Parabéns professora Klyssiane, sua dedicação para com a Educação é admiração. 👏👏🫰🙏💝

Like
bottom of page